Ideoplasticidade do Corpo Etérico

Principalmente, o corpo etérico é um corpo astral que é envolto em e impregnado com a matéria etérica. Por isso, o "corpo" etérico é sujeito às mesmas leis como o corpo astral.

 

A habilidade de mudar a aparência deliberadamente é também atribuido aos espíritos da natureza

 

Corpo pequeno (OBE Letter no. 90)

"Uma pergunta … na segunda vez, eu subitamente estava num corpo leve, transparente e mais pequeno do que comum. Eu não sabia como eu tinha acabado de entrar nesse corpo. Eu estava cerca de meio metro em cima da minha cama, flutuando levemente, e com consciência normal …"

 

 

Resposta:

Para interpretar esse fenómeno, é muito prático distinguir entre EFC’s etéricos e astrais. Muitas coisas somente podem ser explanadas com essa diferença. Segundo esse fato, você experienciou uma separação do seu corpo etérico – ele é muito mais denso do que o corpo astral, porque ele contém substância/ energia vital. O corpo etérico contém o corpo astral e essa substância vital. Se não houver suficiente dessa substância etérica levado com o corpo astral, existem duas possibilidades: a aparência do corpo etérico será mais magra ou mais pequena. Eu experiencei as duas.

 

 

A teste (Ballabene)

"Eu estava ao lado da minha cama e quis experimentar: quanto pode ser esticado o corpo etérico? Assim, eu deixei crescer o meu corpo; não era difícil. Eu cresci até a minha cabeça tocou o teto."

 

As "luvas de pele" (Corra)

" … e agora, algo interessante aconteceu: por alguma razão, eu descascei a pele das minhas mãos. Acho que eu quis ‘limpar’ as minhas mãos por causa do meu ‘ato sujo’ que eu tinha feito antes. Assim, eu descascei a minha pele e também o tecido embaixo da pele. Depois disso, eu tinha dois invólucros de pele e tecido na minha frente; eles pareciam ser luvas do tamanho do meu antebraço.

Curiosamente, embaixo da pele que eu tinha descascado, não havia carne ou ossos, mas as minhas mãos pareciam ilesas e perfeitamente normais. Eu fiquei surpreendida. Assim, eu peguei as ‘luvas de pele’ e as calçei nas mãos – parecia estranho, porque as luvas tinham exatamente a aparência das minhas mãos. Eu modelei as luvas até as mãos e os meus antebraços eram normais novamente. A consistência da massa era como a da cera ou da plasticina. Teoreticamente, as minhas mãos tivessem que ser o dobro da espessura anterior, porque agora tinham uma ‘camada dupla’. Mas isso não foi o caso. Tudo ficou totalmente natural. Mas eu me lembro: eu não tinha conseguido calçãr corretamente a luva esquerda, e assim, o meu dedo pequeno ainda estava torto. Mas eu simplesmente pude resolver o problema: eu somente apertei e modelei o dedo pequeno até ele tinha a aparência normal novamente.

Essa experiência me mostrou que é muito fácil modelar a própria substância fluida do corpo sutil e mudar a aparência dele. Acho que isso seria possível também com a mera força de vontade e pensamento (como é o caso normalmente nas esféras suteis), mas obviamente, é também possível com esse método ‘físico’ que eu usava. De novo, eu experienciei a consistência da matéria etérica: é como plasticina."

 

 

© Alfred Ballabene (Viena) traduzido por Corra