Formação e Qualidade do Corpo Astral

Há um aspeto do corpo astral que é pouco conhecido. As pessoas pensam, muitas vezes, que existe somente um corpo astral "estático", o qual sempre fica inalterado tal como o nosso corpo físico. Porém, isso não é o caso. O corpo astral sempre é formado espontaneamente – isso quer dizer, a qualidade do corpo astral pode mudar e depende do estado emocional da pessoa.

 

Deixa me explicar melhor: tem uma razão porque o corpo astral é também chamado "o corpo emocional" ou "o corpo dos desejos" (cf. C. W. Leadbeater). Ele é fortemente relacionado às nossas emoções e aos nossos desejos e medos. A matéria astral, em geral, responde facilmente aos nossos pensamentos e emoções. O mesmo se aplica ao corpo astral: cada emoção, pensamento, medo ou desejo tem uma certa qualidade (= vibração áurica). O nosso corpo astral vai adotar a qualidade a qual é dominante em nossos pensamentos e emoções atuais, e também em nossa atitude interior. Existe uma interação complexa entre a nossa psique e as nossas emoções, energias, chakras e a nossa aura (aura astral = corpo astral) – e todos esses elementos se influenciam mutuamente. Pode ser que o aspeto decisivo para a qualidade dominante depende da situação.

 

Esse fato é fortemente ligado à regra básica "semelhante atrai semelhante": a vibração áurica, a qual o seu corpo astral adota durante a separação, decide quais tipos de lugares e seres você é capaz de encontrar na viagem astral. Você vai, automaticamente, atrair seres ou planos astrais que têm uma qualidade semelhante à sua atual. Isso explica porque, quando você estiver num estado emocional deprimido ou negativo, você vai ter, muito provavelmente, uma EFC (experiência fora do corpo) num lugar chato ou até negativo. Mas, quando você estiver num estado mais alto, você vai mais provavelmente encontrar seres desenvolvidos e lugares agradáveis.

 

As experiências seguintes devem servir para você ter uma ideia desse fenômeno.

 

 

O plano dos intelectuais

"Há algum tempo, eu estava, muitas vezes, com uma ‘disposição intelectual’ - quer dizer, eu sentia a falta dolorosa de emoção e profundidade na minha vida, mas isso era por causa do trabalho excessivamente teórico que eu tinha de fazer para a universidade nessa época. Eu estava nesse ‘estado intelectual’ quando eu tive uma EFC uma noite. Eu me encontrei num prédio desconhecido, havia muitos estudantes lá. Eu saí do prédio para ver como era a sua aparência por fora.

 

Por algum motivo, eu sabia que era um tipo de universidade famosa. O prédio tinha um aspeto pomposo e tinha um telhado de cúpula resplandecente. A paisagem era muito bonita, luminosa e colorida, mas, de alguma forma, o ambiente era chato e sem brilho. Eu não tinha emoções. Eu fiquei espantada. Como foi que esse lugar lindo estava sem emoção, como era possível eu ter uma EFC numa paisagem tão detalhada e bonita mas não estimulava emoção alguma em mim?

 

Eu falei com alguns estudantes. Eles disseram que eles aprenderam muito ali e que eles também ajudaram a humanidade com as pesquisas científicas e as novas invenções. Mas, dentro de mim, eu sabia que isso era bem limitado à vista científica e tecnológica. Não havia espiritualidade ali. Eu conclui que o meu ‘estado intelectual’ me fez chegar a esse lugar e eu não fiquei exatamente feliz com isso, mesmo que a experiência tivesse sido interessante."

 

 

Perseguido pelo próprio medo

"Houve um tempo em que eu sofria de estados de medo profundo. Ás vezes eu adormecia com esses medos e tinha EFC’s a noite. Isso era horrível. Nesse caso, eu ia limitado , geralmente, às experiências perto do corpo físico. A atmosfera em minha volta parecia cheia de medo e inquietação. Eu fui perseguido por seres os quais tentaram me tocar, e eu tive tanto medo de que eles me tocassem. Pode ser que eu tivesse sido perseguida pelos próprios medos personificados, ou talvez eles tfossem tipos de espíritos ou psicógonos (formas-pensamento manifestadas). Mas eu não posso ter certeza sobre isso, porque nesses estados eu quase nunca estive suficientemente calma e consciente para verificar o que eles realmente eram."

 

 

A porta escondida

"Depois que eu acordei de um sonho esperançoso, eu me senti muito calma e cheia de amor e fé. Com essas emoções, eu adormeci outra vez. Eu ‘acordei’ no meu quarto, e eu sabia que eu estava num estado fora do corpo, mesmo que eu não tivesse percebido a separação conscientemente (era uma EFC do tipo ‘despertar falso’ ). Uma mulher estava no meu apartamento – era como se ela tivesse planejado me visitar. Ela era muito amigável e compreensiva comigo (eu estava com alguns problemas no momento atual) e nós conversamos um pouco.

 

Então, ela parecia querer revelar alguma coisa. De repente, ela me mostrou uma porta escondida no meu corredor, a qual estava invisível antes. Essa porta era feita de madeira escura, com adornos lindos, e ela radiava uma aura muito especial e mística. Eu não entendi porque eu nunca tinha encontrado essa porta antes. Eu perguntei a mulher se eu poderia ter a permissão para abri-la. Ela disse que sim e eu abri a porta – havia um lugar completamente diferente atrás da soleira. Era o interior dum prédio antigo e alto, com portas de madeira, adornos, e uma luz calorosa por toda a parte, mesmo que o lugar fosse relativamente escuro, mas definitivamente não era um tipo negativo de escuridão. Eu pude sentir claramente que eu conhecia esse lugar, a aura dele era familiar, muito antiga e sublime.

 

Eu não me lembro o que aconteceu depois disso, mas eu sei que eu perguntei a mulher se eu poderia receber a chave para essa porta, para que eu fosse capaz de revisitar esse lugar. Eu não estava certa se ela me a deu, mas eu sabia que eu tinha que entrar nesse prédio místico de novo. E, de fato, nos anos seguintes, eu tive algumas EFC’s nas quais eu tive a chance de entrar nesse lugar secreto e sagrado novamente. Interessantemente, eu somente fui capaz de abrir essa porta quando eu estava num estado positivo e profundo. Mas, quando eu estava num estado negativo ou sombrio, eu nunca cheguei a um lugar bonito, ou a porta simplesmente não se abria."

 

 

Levando isso em conta, é aconselhável que você preste atenção ao seu estado emocional quando você estiver tentando induzir uma EFC. Eu acho que é sensato evitar a indução intencional duma EFC quando você tiver emoções negativos (medo, agressões, tensão etc.). É melhor voltar para um estado ‘normal’ primeiro. Por outro lado, meditação e estimulação de emoções positivos têm, em geral, bons efeitos em nossas EFC’s.

 

Quando você está num estado astral semiconsciente ou inconsciente, há aspetos diferentes os quais podem controlar o corpo astral. Por exemplo, pode ser controlado pelo nosso subconsciente: se existe um desejo subconsciente – talvez um desejo reprimido – dentro de nós, o nosso corpo astral pode ser controlado por esse desejo subconsciente, porque esse desejo "quer" ser satisfeito. Nesse caso, você vai ter uma EFC inconsciente ou subconsciente em que você vai estar tentando satisfazer o desejo respetivo.

 

Também podem surgir outros casos em quais o corpo astral parece ser controlado por uma parte superior de nós mesmos, uma parte mais sábia. Nesse caso, você está semiconsciente, mas, de alguma forma, você sabe aonde tem que ir e o que fazer, mesmo que o seu "ego normal" não tenha nenhuma ideia do que está fazendo no momento. Muitas vezes, o "ego normal" somente está passivo, quando a parte superior está ativa. Em outros casos, o "ego normal" está totalmente ausente.

 

Existe uma teoria sobre um outro corpo astral, chamado o "astral superior". Segundo essa teoria, esse astral superior é totalmente independente do nosso ego consciente, e ele pode ser entendido como uma existência superior de nós mesmos, vivendo e agindo num plano astral muito alto. Assim, esse astral superior não é formado espontaneamente e não depende da nossa psique como o astral baixo.

 

© 2016 Corra